menu
Menu Vertical

Possíveis sintomas na Gravidez

A gravidez para algumas mulheres é tranquila e sem dificuldades, mas para outras os desconfortos e incômodos são muitos. A verdade é que a lista de problemas que desencadeiam mal-estar durante a gravidez é grande, a seguir algumas das reclamações mais frequentes e o que pode ser feito para atenuar os sintomas:


Azia

Embora seja um problema comum e inofensivo, a azia na gravidez torna-se muito incômoda e desconfortável. Um dos motivos é que o aumento da progesterona deixa o estômago mais relaxado e a digestão vai ficando cada vez mais lenta. Por segurar a comida por mais tempo ocorre o refluxo do ácido do estômago para o esôfago, isso resulta em azia ou queimação. A melhor saída para diminuir esse incômodo é a gestante cuidar da alimentação.

•Evite pratos com muito tempero, pimenta ou gordurosos, frituras, chocolate, tomate, vinagre, frutas cítricas, refrigerantes, bebidas alcoólicas e café.
•Faça pequenas refeições e mastigue muito bem a comida.
•Não beba muito líquido durante as refeições.
•Não se deite logo após as refeições, mas se deitar deixe a cabeça elevada com a ajuda de travesseiro.
•Controle seu peso e use roupas confortáveis, que não apertem a região da cintura e da barriga.

Se todos esses cuidados não amenizarem o problema, avise seu médico. Somente ele poderá avaliar seu estado e se necessário receitar o uso de um antiácido, nunca tome nada sem o consentimento dele.



Náuseas e Vômitos

Sentir náuseas no início da gravidez é um dos sintomas mais comuns. Metade das mulheres que estão grávidas sofrem de enjoo no primeiro trimestre. Estes podem também causar vômitos que ocorrem principalmente no início da manhã, ou logo após uma refeição.

Em geral esse desconforto não ultrapassa o terceiro mês, mas em alguns casos duram um período mais avançado. Avise seu obstetra se os vômitos persistirem após todas as refeições a ponto de impedir sua alimentação. Ele receitará medicamentos contra náuseas, dieta especial e suplementos alimentares. Às vezes, os vômitos surgem apenas por problemas gástricos que a mamãe talvez tenha antes de engravidar, mas merecem atenção e tratamento da mesma forma, porque podem comprometer a nutrição da mãe.

Para amenizar os sintomas a gestante precisa dormir bem e levantar-se lentamente de manhã. Antes de sair da cama é bom comer uma torrada ou bolacha água e sal e ficar ainda uns 15 minutos deitada, isso ajuda bastante. Beba sucos cítricos pois ajudam a repor a acidez do estômago, o que diminui os enjoos. A fome desencadeia as náuseas, por isso não fique longos períodos sem comer. Faça pequenas refeições durante o dia. Não beba muito líquido durante as refeições. Evite comidas apimentadas, gordurosas, café, achocolatado e fique longe de álcool e cigarro. Abuse do gengibre, limão ou melancia que costumam ser bem tolerados pelas grávidas. Depois de um tempo a própria gestante percebe o que faz mal e evita alimentos e cheiros até esse período passar.

Por mais desconfortável que esses sintomas possam parecer, desde que você tome líquidos durante o dia e tenha uma alimentação balanceada, o seu bebê estará bem.



Frequência Urinária

O início e o final da gravidez são os períodos em que a gestante mais vai ao banheiro. No primeiro trimestre é causada pela mudança hormonal, já no terceiro a causa é a compressão do útero sobre a bexiga, então mesmo que a bexiga não esteja cheia é preciso esvaziá-la. Embora você deva tomar entre oito e dez copos de líquido por dia, você pode reduzir a quantidade de líquidos entre uma ou duas horas antes de ir dormir, para tentar diminuir o número de idas noturnas ao banheiro, o que não é garantido. De qualquer modo, mesmo não sendo o melhor consolo, ao acordar várias vezes à noite, você já estará treinando para atender o bebê quando este nascer.

Se você sentir dor ou odor forte ao urinar, converse com seu médico, pois pode ser sinal de infecção urinária, muito comum em grávidas. Lembre-se que, se não for tratada pode evoluir para uma infecção nos rins e levar a uma complicação mais grave.

Após o parto você deve urinar com uma frequência ainda maior por alguns dias, porque seu corpo está eliminando todo o líquido extra que foi acumulado durante a gravidez. A amamentação também ajudará nesse processo. Portanto, não se preocupe que logo tudo voltará a ser como antes.



Mudança nos Seios

Por causa do aumento na produção de estrogênio e progesterona que ocorre na gravidez, a dor e a sensibilidade nos seios é um dos primeiros sintomas percebidos pela gestante. Mas, a dor e a sensibilidade tendem a diminuir entre o terceiro e quarto mês.

Os mamilos poderão ficar mais escuros e também aumentados e os seios aumentarão de volume. Fique atenta ao uso do sutiã, principalmente durante caminhadas ou exercícios, pois ele funciona como um suporte, preservando os tecidos de sustentação dos seios durante a gravidez e a amamentação, já que as mamas ficam maiores e mais pesadas durante esse período.

Todos esses sintomas, embora incômodos, é um sinal positivo de que os seios estão sendo preparados para a amamentação. Por isso durante o banho faça leves massagens com uma bucha natural e seque fazendo massagem com uma toalha felpuda. O que também prepara os seios são pequenos períodos de banho de sol, pois deixam a pele mais resistente.

As mulheres com o bico do seio invertido ou plano, devem fazer uma massagem específica para estimular a saída do bico para fora, muitas vezes durante a gestação ele sai naturalmente, caso isso não ocorra converse com seu médico. Provavelmente ele indicará o uso de conchas próprias para preparação dos seios.

Gotinhas de leite podem começar a aparecer a partir do terceiro mês, isso é perfeitamente normal. É um fluído amarelo rico em nutrientes, chamado colostro, que será o alimento do bebê nos primeiros dias de vida. Porém não estimule a saída dele dos mamilos.



Aborto Espontâneo

Um receio comum de toda gestante no início da gravidez é o medo de abortar. Por isso, muitas mulheres evitam falar sobre a gravidez até completar três ou quatro meses, quando se sentem mais seguras.

Converse com seu médico, ele lhe dará toda orientação sobre os possíveis sinais de alerta e o que fazer caso ocorra qualquer um deles. O importante é que você esteja se cuidando, alimentando-se bem, tomando líquidos, evitando esforços físicos, descansando e evitando hábitos prejudiciais como fumo e álcool. Se você estiver se cuidando, estará cuidando bem do seu filho. Lembre-se, que todo e qualquer sangramento vaginal no período gestacional deve ser comunicado imediatamente ao seu médico.



Modificação das Veias

Devido o sistema circulatório trabalhar mais durante a gestação e ao aumento de sangue corporal, algumas gestantes perceberão o aparecimento de finíssimas veias azuis pelo seu corpo inclusive nas mamas.

Um problema relacionado ao sistema circulatório que pode ocorrer é o aparecimento de varizes ou a piora do quadro daquelas mulheres que já tinham varizes antes de engravidar.

A melhor coisa a fazer é prevenir, principalmente se você deseja engravidar novamente, pois a tendência é que nas próximas gestações elas piorem. Cuidado com sua alimentação, pois o quadro piora com o aumento excessivo de peso, evite ficar muito tempo em pé, e ao sentar-se apoie as pernas em alguma almofada para que fiquem elevadas; use meias elásticas, próprias para grávidas durante todo o dia e faça caminhadas leves, pelo menos três dias por semana.



Problemas de Pele

Normalmente a pele da grávida fica linda, sedosa e com aspecto saudável. Mas algumas mulheres poderão apresentar acnes ou espinhas durante a gravidez. Para tentar amenizar isso, você precisa manter uma dieta saudável, evitando frituras e comidas gordurosas e tomando muito líquido. Procure um dermatologista para que ele indique cremes específicos (ou hidratantes) próprios para grávidas, protetores solares e limpeza de pele com produtos neutros. Em dias de sol, nunca saia de casa sem usar protetor solar e chapéu para evitar as manchas típicas de gravidez, o chamado melasma.



Perda da Forma Física

Engordar demais na gestação e não conseguir voltar a sua forma depois do parto é um dos maiores receios das mulheres que engravidam, principalmente para as que são muito vaidosas e sempre se cuidaram. O ideal é que, desde o momento que você descobre a gravidez até o dia do parto, sua alimentação seja saudável e equilibrada. Isso quer dizer muita fruta, verdura, líquido e pouca fritura, comidas gordurosas e refrigerantes. Mas, se você engordou demais, tenha paciência, procure uma nutricionista e siga suas recomendações.

Converse com seu médico sobre a época certa para iniciar atividades físicas após o parto. E é claro mamãe, não se desespere, a perda de peso varia muito de mulher para mulher, conta a idade, forma física de antes de engravidar e o ganho de peso na gestação. A amamentação também ajudará muito a voltar a antiga forma.

Não há nada de errado em você querer voltar a sua forma de antes de engravidar, mas tenha bom senso, o peso que adquiriu não some de um dia para o outro e vai depender muito da sua boa vontade.



Dificuldade na Digestão

A dificuldade de digestão aflige a maioria das grávidas por quase toda a gravidez. Para tentar diminuir essas sensações que realmente são desagradáveis, você deverá seguir os conselhos que são indicados para os outros sintomas: controle o aumento de peso, use roupas confortáveis, coma lentamente e mastigando bem, não tome muito líquido durante as refeições e evite alimentos que você sabe que não lhe caem bem (gorduras, frituras, doces, enlatados, muito tempero ou pães em excesso).

Outra dica é levantar a cabeceira da cama para dormir com a cabeça mais alta. Mas, se nada der certo, consulte seu médico, somente ele poderá lhe dar uma recomendação mais específica.


Alimentos: Repulsa e Desejo

As teorias sobre o porquê a mulher durante a gravidez tem desejos ou aversões a determinados alimentos, variam muito. Alguns estudiosos acreditam ser uma necessidade do organismo de repor a falta de algum nutriente. Existem ainda os que afirmam que por causa das mudanças hormonais que ocorrem na gravidez a mulher tem um aumento do apetite e uma mudança no paladar e no olfato, fazendo com que em alguns momentos tenha desejos de comer substâncias de sabor forte, como frutas cítricas, conservas e sabores picantes e em outros não queiram nem sentir o cheiro de comidas que antes eram suas preferidas. O certo é que são poucas as mulheres que tem desejos impossíveis de satisfazer.

Cabe a você usar de bom senso. Se desejar comer algo que sabe que lhe fará bem, não hesite em comê-lo. Mas se tiver aversão por alimentos que sabe que deve comer, então procure substituir por algo de igual valor nutritivo.

Vale lembrar, que muitos dos “desejos” das mulheres grávidas são, na verdade, manifestações emocionais pela necessidade de atenção e carinho a mais que poderá ser resolvido com muito aconchego e demonstração de afeto por parte do companheiro ou familiares.



Dor de cabeça

Sentir dor de cabeça é muito comum no primeiro trimestre da gravidez e pode ter várias origens, entre as quais as transformações hormonais que o organismo da mulher sofre. Não há quem afirme com certeza qual a relação entre gravidez e dores de cabeça. Como a grande maioria dos remédios para esse mal não é recomendada para gestantes, fale com seu obstetra e peça um medicamento seguro.

Para aliviar a tensão faça compressas frias na base do pescoço ou compressas mornas em volta dos olhos e nariz. Massagens específicas para gestantes, feitas por um profissional, ajudam muito, mas se você não pode pagar peça ao seu marido que massageie suas costas e ombros suavemente para aliviar a tensão.

Tome mais líquidos e coma em poucas quantidades mais vezes ao dia, evitando frituras que tendem a piorar o mal estar. A dor de cabeça pode estar relacionada à fome, então vale a pena ter pequenos lanches na bolsa, como frutas, bolachas ou uma barra de cereal e água mineral.

Se você tem pressão alta, essas dores podem ser sinal de pré-eclâmpsia, tome cuidado com dores localizadas na nuca, caso isso ocorra avise seu médico.



Sangramento vaginal

Sangramento durante a gravidez é algo relativamente comum, no entanto, se você tiver sangramento em qualquer fase da gravidez, deve sempre contatar seu médico imediatamente. Não necessariamente é causado por algo sério, mas é muito importante uma avaliação para ter certeza que não é nada grave. Até que você possa ver um profissional de saúde, deite-se e descanse e não tome qualquer medicação enquanto você espera.

No início da gravidez, você pode ter um sangramento leve, chamado sangramento de escape ou spotting, pode ser muito parecido com a menstruação e vir acompanhado de um pouco de cólica. Também pode ocorrer sangramento quando o óvulo fertilizado se implanta na parede do útero, é conhecido como sangramento de implantação, é em pequena quantidade e não dura mais de um dia ou dois.

Portanto, não importa a quantidade, para qualquer sangramento o seu médico deve ser consultado.



Tonturas

Você pode sentir tonturas ao longo de toda a gravidez e isso pode ocorrer por vários motivos. Por isso, a primeira atitude que você precisa ter é sentar-se, isso evita que você tenha uma queda e ainda alivia a sensação de vertigem. No início da gravidez há um aumento do volume de sangue no sistema circulatório e seu fluxo sanguíneo está se adaptando a isso, o que pode causar tonturas. Já no segundo trimestre os vasos sanguíneos podem ficar pressionados pelo útero, o que também pode causar essa sensação. Mas, existem outros fatores que também ocasionam isso durante a gestação, como quando você se levanta muito rápido, a chamada hipotensão postural, que é a pressão baixa devido a uma mudança brusca de posição. Quando você fica muito tempo sem comer, principalmente no final da tarde, sua taxa glicêmica fica muito baixa. E até mesmo o calor em excesso, pode causar tonturas.

Para aliviar, além de sentar você deve beber água ou suco, comer algo se estiver sem comer, quando em local cheio de gente e abafado, saia ou procure uma janela para respirar ar fresco e evite movimentos bruscos quando for se levantar. Em alguns casos, o melhor a fazer é sentar ou deitar e esperar a tontura passar. Pois, mesmo sendo raro, o maior perigo é o desmaio porque você pode cair e se machucar. Então se percebeu que está prestes a perder os sentidos, sente-se com a cabeça entre as pernas, ou deite-se sobre o lado esquerdo. Essas posições melhoram a irrigação do sangue para o cérebro e afastam a sensação de vertigem.

Em caso de tonturas acompanhadas de visão embaçada, dores de cabeça e palpitações, procure imediatamente seu médico, pois podem ser sinal de algo mais grave que deve ser avaliado.



Cansaço

Cansaço e sono em excesso são comuns nos primeiros meses de gravidez. Isso acontece por causa da mudança hormonal e metabólica que está ocorrendo no seu corpo. Sentem cansaço mesmo as mulheres que antes de engravidar levavam uma vida agitada e se exercitavam. A tendência é que isso diminua a partir do terceiro mês, mas poderá voltar a aparecer no final da gestação, por volta da 30ª semana. Nessa etapa esse cansaço se deve mais ao peso da barriga e ao sono irregular, já que além de não haver uma posição confortável para dormir, você irá mais vezes ao banheiro durante a madrugada por causa do útero que comprime a bexiga.

No geral esse cansaço é normal, mas se for acompanhado por desmaios, palidez e palpitações é importante que você comunique seu médico. Se possível faça repouso de uma hora no meio da manhã e a tarde, isso reduz a ocorrência de edemas e dores. No trabalho procure tirar alguns minutos para relaxar e em casa durma sempre que possível, nem que seja um pequeno cochilo, isso já irá repor suas energias.

Você pode aproveitar também para dormir algumas horas a mais por noite. O melhor é que você descanse agora, já que depois que o bebê nascer, provavelmente você dormirá bem menos.



Prisão de Ventre

A prisão de ventre é um sintoma comum entre as gestantes devido as mudanças hormonais que provocam uma digestão mais lenta e também pela compressão do útero sobre o intestino. Lembre-se, beba bastante água e coloque alimentos com mais fibras em suas refeições, (mamão, manga, morango, laranja com bagaço, abacaxi, figo e damasco) eles ajudam a prevenir a prisão de ventre. Use também cereais, verduras cruas e legumes. A ameixa preta é uma boa dica, você pode comer ou acrescentar algumas ao fazer um suco de fruta: além de ficar uma delícia ajuda seu intestino a funcionar melhor.

Embora esse problema seja comum durante todo o período gestacional, você deve avisar seu médico assim que sentir dificuldade para ir ao banheiro, pois, caso seja necessário, somente ele pode receitar o uso de laxantes apropriados para as grávidas. As atividades físicas moderadas como caminhada ou hidroginástica para gestantes podem diminuir o problema.



Gases

Este problema considerado comum na gravidez, ocorre porque a digestão acontece mais lentamente e provoca o aumento da formação de gases intestinais. Para aliviar esse sintoma, faça pequenas refeições durante o dia, mastigue bem os alimentos e não tome líquidos junto com a comida.

Evite mascar chicletes e diminua a quantidade de alguns alimentos como feijão, cebola, brócolis, repolho ou ovos que podem aumentar esse desconforto.



Aumento de Peso

O ganho de peso durante a gestação, varia de mulher para mulher e depende do tipo físico de cada uma. O ideal é que aconteça num ritmo lento e constante e que seja de até 20% do peso inicial, o que favorece uma gravidez mais tranquila e uma recuperação e volta à forma física mais rápida.

Você pode fazer o seguinte cálculo: uma gestante de peso médio deveria aumentar no primeiro trimestre de 1,5 a 2,0 quilos; no segundo trimestre um aumento de 4,0 a 6,5 quilos e no terceiro e último um aumento de peso de 3,5 a 4,5 quilos. Perceba que o ganho de peso durante a gravidez não está distribuído de maneira uniforme nos nove meses.

Tenha em mente que seu aumento de peso deve ser controlado, baseado numa dieta de qualidade, nutritiva e balanceada, seguindo os conselhos de seu obstetra ou de uma nutricionista que são as pessoas mais indicadas para garantir uma alimentação de acordo com o ritmo de sua gravidez e suas características físicas.



Distúrbios de sono

Para algumas mulheres a gravidez pode ser um tempo de perturbações do sono, mesmo para aquelas que nunca tiveram problemas com isso. Algumas têm o sono perturbado por interrupções (idas ao banheiro, cãibras, azia, dores nas pernas), por insônia devido às emoções e ansiedade sobre o trabalho de parto, sentimentos desagradáveis em relação ao trabalho e a maternidade ou ainda sua relação com seu parceiro. Isso ocorre especialmente com as mães de primeira viagem. Já outras têm sono demais, por estarem sempre cansadas, especialmente durante os primeiro e terceiro trimestres.

Algumas grávidas podem desenvolver apneia do sono, particularmente aquelas que estão acima do peso. O que também faz com que o sono não seja tranquilo, se você acha que pode sofrer disso, é importante que converse com seu médico.

A gestante precisa priorizar o sono e encontrar estratégias eficazes para o lidar com esse problema, tanto a qualidade como a quantidade deve ser avaliada. Portanto, encontre o seu equilíbrio, pois o sono de qualidade deixa a pessoa mais alegre, com a máxima capacidade de disposição, entusiasmo, otimismo e positividade e isso tudo é muito importante para uma gravidez tranquila.


Dores nas Costas

A maioria das grávidas apresenta algum grau de dor nas costas, normalmente na região lombar, durante os segundo e terceiro trimestres. Em geral estão relacionadas com a preparação do corpo para o processo de nascimento de seu bebê e podem ser sentidas ao andar, ao ficar em pé ou sentada por muito tempo, ao se virar na cama ou ao se levantar de um assento baixo.

Com o aumento do abdômen, seu centro de gravidade muda de lugar, com isso muda também a sua postura o que acaba forçando nervos e a coluna. O peso da barriga, pode acarretar dores, o que faz com que algumas grávidas descuidem da postura e piore ainda mais a situação. As dores podem estar relacionadas ao estresse e ansiedade, já que muitas grávidas têm uma vida muito agitada.

Ao final da gravidez, muitas mulheres sentem uma dor muito forte nas costas, pernas e na base das costas. Essa dor é causada pela pressão da cabeça do bebê na região pélvica “comprimindo” os nervos ciáticos. Quando isso ocorre, poderá sentir uma fraqueza nas pernas. Em alguns casos, sentar-se pode ser desconfortável.

Para prevenir ou minimizar as dores nas costas, em primeiro lugar observe sua postura, pois muitas vezes sem perceber você inclina-se para trás, sobrecarregando à musculatura e desencadeando dor.

Algumas dicas importantes são: não ganhar muito peso, evitar saltos altos, não erguer peso, não ficar em pé por longos períodos, dormir de lado e de preferência com um travesseiro entre as pernas. Se você passa muito tempo sentada (como num escritório), procure ficar numa posição ereta e com os pés levemente elevados com a ajuda de algum suporte não muito alto. Levante-se a cada meia hora e caminhe pelo escritório. Para ajudar a suportar o peso da barriga e a não forçar a musculatura lombar, você pode usar uma faixa como suporte, ela deve ser colocada entre o quadril e a parte mais baixa do abdômen, isso ameniza a dor.

Exercícios físicos como pilates, yoga, natação ou alongamentos tendem a ajudar muito, desde que liberados por seu médico.

Mas lembre-se: a dor nas costas pode persistir por um tempo depois do parto, mas diminui com o passar dos meses. A boa notícia é que embora incomode muito algumas grávidas, não afeta a saúde do bebê.



Câimbras

As câimbras são espasmos musculares que causam dor moderada, mas incômodas, muito comuns durante a gravidez. Costumam acontecer mais à noite, principalmente na barriga da perna, nos pés ou até mesmo nas coxas. As causas prováveis deste tipo de incômodo são a fadiga e a deficiência de sais minerais, principalmente de potássio e cálcio. Pode aumentar no final da gravidez, por causa da retenção de líquido e a diminuição de atividades físicas. Ao sentir câimbra nas panturrilhas, o ideal é que você sente, para evitar queda e estenda a perna, voltando os dedos dos pés em direção ao joelho, alongando bem. Massagens e compressas quentes no local onde tiver ocorrido a câimbra também ajudam a aliviar a dor. Mas, avise seu médico caso sinta dores muito fortes nas pernas.

Para ajudar a evitar as câimbras uma dica são as meias elásticas, que além de ser úteis para esse problema, sustentam e reforçam as paredes venosas o que contribui para a diminuição da dor, ardor e edemas.



Problemas dentários

Durante a gravidez, há um aumento da acidez na boca e como o organismo se encontra mais vulnerável as bactérias, problemas com cáries, inchaços e os sinais de inflamação na gengiva acabam intensificados.

O ideal é consultar o seu dentista antes de engravidar ou logo que descubra a gravidez. Se possível faça uma limpeza geral e pergunte ao seu médico sobre radiografias e uso de anestesias. Evite comer doces, balas e guloseimas.

Mantenha os dentes sempre limpos, use escovas macias (para não machucar as gengivas que já estão mais sensíveis), fio dental regularmente e faça bochechos com frequência. Todos estes cuidados são muito importantes e fundamentais para uma dentição perfeita.



Infecção Urinária

A infecção urinária é uma das alterações mais comuns na gravidez, normalmente ocorre no primeiro trimestre e por isso a gestante deve ficar atenta nesse período. A maioria das vezes provoca ardência ao urinar e dor pélvica e se não for tratada no início pode se transformar em algo grave.

Se você apresentar aumento da vontade de urinar com pouca ou nenhuma quantidade de urina, dor e ardor ao urinar e apresentar mudanças na cor e no cheiro da urina, consulte seu médico que poderá pedir exames e diagnosticar a infecção urinária precocemente. A forma menos agressiva desta infecção é a cistite, que ocorre na bexiga, e se não tratada pode se tornar uma infecção renal que é algo grave na gestação, podendo provocar um parto prematuro.

A melhor alternativa é tentar prevenir que isso ocorra, então beba bastante líquido durante todo o dia, evite café e bebidas alcoólicas, use calcinha de algodão e não apertada, repouse bastante, vá ao banheiro com frequência e não segure o xixi quando a vontade vier. Procure esvaziar completamente a bexiga, e é fundamental também que você cuide bem de sua higiene pessoal. Lembre-se: avise seu médico se você sentir qualquer sintoma de infecção urinária, para que ele faça um diagnóstico o mais rápido possível, isso significa menos risco para você e seu bebê.



Coceira

Por causa da distensão da pele é comum que a gestante sinta coceira principalmente no abdômen no decorrer da gestação. Embora não seja fácil, procure não coçar, você ainda pode tentar amenizar o problema usando loções hidratantes recomendados por seu médico, roupas leves e de algodão e evitando lugares quentes e úmidos.

Se o sintoma for muito intenso avise seu médico, pois, pode se tratar de colestase obstétrica. Tem como principal sintoma a coceira, que começa nas mãos e sola dos pés e depois se espalha para outras partes do corpo. A coceira desaparece completamente algumas semanas depois do parto.



Hemorroidas

Devido a tendência de ficar com o intestino mais preguiçoso e ao aumento do peso do útero, as gestantes podem desenvolver hemorroidas entre o segundo e terceiro trimestre. Trata-se de uma inflação ou dilatação dos vasos sanguíneos da região por causa do esforço repetido para evacuar, seja por intestino preso (constipação) ou fezes endurecidas. Algumas mulheres sentem apenas uma leve coceira. Mas, conforme aumenta a dilatação, podem sentir queimação e ardor na região anal. O nódulo pode ficar saliente e trazer desconforto e dor, podendo evoluir para uma obstrução das veias e até sangramento durante as evacuações.

Embora para algumas mulheres seja difícil evitar é possível amenizar os efeitos. É importante prevenir a prisão de ventre, cuidando muito bem da sua alimentação: coma alimentos ricos em fibras, como frutas, grãos, verduras e legumes e beba bastante líquidos. Não force a evacuação, nem fique muito tempo numa só posição, sentada ou em pé e procure fazer atividade física regular, sempre com orientação médica.



Varizes

Na gestação, mulheres que nunca tiveram problemas com varizes podem desenvolvê-las e aquelas que já tinham, podem ter o problema agravado: a progesterona e estrogênio tem efeito dilatador e também a quantidade de sangue que circula no corpo aumenta, por isso, o trabalho das veias fica maior.

Outro fator é o aumento do tamanho do útero, que comprime as veias do abdômen e da região pélvica da mulher, colocando assim um obstáculo para a subida do sangue das pernas para o coração. Frequentemente as varizes que aparecem na primeira gestação, desaparecem após o parto, mas as que surgem a partir da segunda gestação costumam permanecer após o nascimento do bebê.

Algumas dicas para prevenir ou minimizar seu aparecimento:

•Exercite-se diariamente, caminhadas e exercícios físicos trazem grande benefício. Mas, evite esportes de alto impacto com movimentos abruptos.
•Evite ficar em pé ou sentada por mais de uma hora, se isso ocorrer, ande um pouco e fique na ponta dos pés para melhorar o fluxo de sangue nas veias;
•Como a veia cava inferior está localizada no lado direito do corpo, deite- se do lado esquerdo, isso ajuda a diminuir a pressão sobre ela e melhora a circulação;
•Opte por ambientes frescos, evite sauna e banhos muito quentes por
muito tempo;
•Não fume;
•Não carregue peso;
•Use sapatos confortáveis e evite saltos acima de 6 cm, pois prejudicam a circulação;
•Não use roupas apertadas e de preferência de tecidos leves, principalmente nos dias quentes.
•Beba uma média de 2 litros de água por dia, evite água mineral com gás e de alto teor salino.
•Quando sentada, não cruze as pernas.
•Utilize meia elástica durante a gravidez, elas podem ser desconfortáveis de usar, principalmente no verão, mas não deixe de usar. O ideal é que você a vista ao acordar, enquanto ainda está na cama. Essas meias não eliminam as varizes que você já possui, mas evitam que o quadro se agrave e que apareçam novas.

Se você tiver qualquer dúvida, converse com seu médico.



Perdas Vaginais

É normal durante a gravidez você ter uma quantidade maior de secreção vaginal, isso não deve ser motivo de preocupação. É um muco com aspecto leitoso e praticamente sem cheiro, causado pelo aumento do fluxo de sangue na área vaginal. Como tudo na gravidez depende de mulher para mulher, para algumas, a quantidade aumenta à medida que o parto se aproxima.

Será necessário você procurar seu obstetra caso haja qualquer alteração em seu aspecto, como mudança na cor (amarelada ou esverdeada), no odor, coceira ou queimação e ainda se você perceber traços de sangue.



Linha Nigra e alterações na Pele

A pele poderá sofrer modificações na gravidez. São distúrbios de pigmentação que normalmente desaparecem espontaneamente. Somente em alguns casos é que precisam de tratamento.

Entre esses distúrbios, o que mais ocorre, é o aparecimento da linha nigra: trata-se de uma linha escura vertical no centro da barriga, que vai do estomago até a região pubiana. Outras áreas da pele que também podem escurecer é o nariz, axilas, parte interna das coxas, a aréola mamária, assim como cicatrizes e sardas. O melasma, também temido pelas gestantes, apresenta-se como manchas escuras no rosto. O ideal é que a grávida evite se expor ao sol e use protetor solar com alto fator de proteção indicado, pelo obstetra ou pelo dermatologista.



Estrias

São marcas que ocorrem no corpo pelo rompimento das fibras elásticas da pele, por causa do estiramento excessivo ou rápido e pelas mudanças hormonais da gravidez. Elas afetam as grávidas, em maior ou menor escala, principalmente nas mamas, abdômen, coxas, nádegas e nos quadris. A melhor solução é iniciar a prevenção bem cedo: controle seu peso, hidrate muito bem a sua pele e peça ao seu médico o produto mais indicado. Apenas não utilize o hidrante na região dos mamilos, já que estão se preparando para a amamentação e o uso do hidratante pode deixá-los com a pele mais fina e sensível e isso pode causar rachaduras durante a sucção do bebê.

Mesmo com os devidos cuidados as estrias poderão surgir. Apenas não esqueça que qualquer tratamento estético deve ser iniciado após desmamar o bebê e feito em clínicas ou por profissionais especializados.



Problemas dentários

Durante a gravidez, há um aumento da acidez na boca e como o organismo se encontra mais vulnerável as bactérias, problemas com cáries, inchaços e os sinais de inflamação na gengiva acabam intensificados.

O ideal é consultar o seu dentista antes de engravidar ou logo que descubra a gravidez. Se possível faça uma limpeza geral e pergunte ao seu médico sobre radiografias e uso de anestesias. Evite comer doces, balas e guloseimas.

Mantenha os dentes sempre limpos, use escovas macias (para não machucar as gengivas que já estão mais sensíveis), fio dental regularmente e faça bochechos com frequência. Todos estes cuidados são muito importantes e fundamentais para uma dentição perfeita.



Infecção Urinária

A infecção urinária é uma das alterações mais comuns na gravidez, normalmente ocorre no primeiro trimestre e por isso a gestante deve ficar atenta nesse período. A maioria das vezes provoca ardência ao urinar e dor pélvica e se não for tratada no início pode se transformar em algo grave.

Se você apresentar aumento da vontade de urinar com pouca ou nenhuma quantidade de urina, dor e ardor ao urinar e apresentar mudanças na cor e no cheiro da urina, consulte seu médico que poderá pedir exames e diagnosticar a infecção urinária precocemente. A forma menos agressiva desta infecção é a cistite, que ocorre na bexiga, e se não tratada pode se tornar uma infecção renal que é algo grave na gestação, podendo provocar um parto prematuro.

A melhor alternativa é tentar prevenir que isso ocorra, então beba bastante líquido durante todo o dia, evite café e bebidas alcoólicas, use calcinha de algodão e não apertada, repouse bastante, vá ao banheiro com frequência e não segure o xixi quando a vontade vier. Procure esvaziar completamente a bexiga, e é fundamental também que você cuide bem de sua higiene pessoal. Lembre-se: avise seu médico se você sentir qualquer sintoma de infecção urinária, para que ele faça um diagnóstico o mais rápido possível, isso significa menos risco para você e seu bebê.



Coceira

Por causa da distensão da pele é comum que a gestante sinta coceira principalmente no abdômen no decorrer da gestação. Embora não seja fácil, procure não coçar, você ainda pode tentar amenizar o problema usando loções hidratantes recomendados por seu médico, roupas leves e de algodão e evitando lugares quentes e úmidos.

Se o sintoma for muito intenso avise seu médico, pois, pode se tratar de colestase obstétrica. Tem como principal sintoma a coceira, que começa nas mãos e sola dos pés e depois se espalha para outras partes do corpo. A coceira desaparece completamente algumas semanas depois do parto.



Hemorroidas

Devido a tendência de ficar com o intestino mais preguiçoso e ao aumento do peso do útero, as gestantes podem desenvolver hemorroidas entre o segundo e terceiro trimestre. Trata-se de uma inflação ou dilatação dos vasos sanguíneos da região por causa do esforço repetido para evacuar, seja por intestino preso (constipação) ou fezes endurecidas. Algumas mulheres sentem apenas uma leve coceira. Mas, conforme aumenta a dilatação, podem sentir queimação e ardor na região anal. O nódulo pode ficar saliente e trazer desconforto e dor, podendo evoluir para uma obstrução das veias e até sangramento durante as evacuações.

Embora para algumas mulheres seja difícil evitar é possível amenizar os efeitos. É importante prevenir a prisão de ventre, cuidando muito bem da sua alimentação: coma alimentos ricos em fibras, como frutas, grãos, verduras e legumes e beba bastante líquidos. Não force a evacuação, nem fique muito tempo numa só posição, sentada ou em pé e procure fazer atividade física regular, sempre com orientação médica.



Varizes

Na gestação, mulheres que nunca tiveram problemas com varizes podem desenvolvê-las e aquelas que já tinham, podem ter o problema agravado: a progesterona e estrogênio tem efeito dilatador e também a quantidade de sangue que circula no corpo aumenta, por isso, o trabalho das veias fica maior.

Outro fator é o aumento do tamanho do útero, que comprime as veias do abdômen e da região pélvica da mulher, colocando assim um obstáculo para a subida do sangue das pernas para o coração. Frequentemente as varizes que aparecem na primeira gestação, desaparecem após o parto, mas as que surgem a partir da segunda gestação costumam permanecer após o nascimento do bebê.



Inchaço

Por volta do último trimestre da gravidez, muitas grávidas reclamam de inchaço, principalmente dos membros inferiores, isso é muito comum e aparece mais ao fim do dia ou quando faz muito calor. Também chamado edema, o inchaço ocorre por vários fatores: aumento da quantidade de líquidos no organismo, sistema circulatório alterado e crescimento do útero que comprime os vasos da região pélvica.

Para evitar o problema, pratique atividades físicas regulares em locais e horários mais frescos do dia, não ganhe peso excessivo, aumente a ingestão de proteínas e hidrate-se. Aproveite para abusar das frutas, pois muitas delas agem como diuréticos e aliviam a retenção de líquidos (como a melancia, melão, abacaxi, maçã, laranja). Beba muita água, diminua o sal na comida, evite banho muito quente, dê preferência as meias elásticas para gestantes e eleve as pernas por pelos menos 15 minutos, se possível umas três vezes por dia. Ao sentar, lembre-se sempre de usar um banquinho, para que seus pés fiquem um pouco mais elevados e sempre use sapatos confortáveis.

Caso o inchaço seja excessivo e não desapareça depois de uma boa noite de sono, procure o seu obstetra para uma avaliação e cuidados especiais.



Calor Excessivo e Transpiração

Durante a gestação a temperatura corporal se eleva por causa do aumento dos níveis hormonais, podendo causar calor excessivo e aumento da transpiração, principalmente no período noturno.

Novamente reforçamos aqui que, tomar muito líquido e ter cuidados com a alimentação são atitudes essenciais e devem prevalecer no último trimestre de gestação. Você vai sentir seu corpo refrescado se tomar banho mais vezes ao dia. Troque comida calórica, frituras e doces, por verduras, legumes e proteínas. Evite o café e bebidas alcoólicas. Uma dica é vestir-se em camadas, assim poderá ir tirando as peças a medida que o calor for aumentando.



Falta de Ar

Durante os últimos meses, o aumento de peso e o crescimento do útero pressionam o diafragma contra os pulmões e tornam a respiração mais curta e lenta dando a sensação de falta de ar.
Não se preocupe, pois isso não significa que você ou o bebê recebam pouco oxigênio. Nesta fase, durma com a cabeceira da cama mais elevada pois isso facilita a respiração e descanse um pouco mais, evitando esforços físicos.

Se você notar outros sintomas, como dor no tórax, palpitação, pulso acelerado ou dormência nos dedos das mãos e pés, procure seu médico.



Contração de Braxton Hicks

Em algum momento durante o terceiro trimestre, você poderá perceber que seu útero contrai e relaxa rapidamente; não entre em pânico. Essas são as contrações de Braxton Hicks, são normais, indolores e acontecem em intervalos irregulares. É como um tipo de preparo uterino para o parto, que ainda está longe.

Mas, a partir do 9º mês essas contrações passam a ser mais frequentes e intensas, converse com seu médico e siga suas orientações.